quinta-feira, 22 de março de 2012

A pergunta é: Constantino alterou alguma coisa do Novo Testamento?

Infelizmente alguns historiadores afirmam isso. Porém de onde tiraram essa idéia eu nem imagino.
Isso é uma afirmação falsa e perigosa. Pois além de não ter embasamento histórico, serve apenas para “dá nó na cabeça” de alguns cristãos ou simpatizantes do cristianismo. Outros estudiosos afirmam isso apenas como um pretexto para prejudicar a integridade do Novo testamento. Como já dizia Eistein, é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.

Aqui cito três motivos pelos quais afirmo que o Novo Testamento não foi alterado pelo Imperador Romano Constantino:




1.      Temos dezenas de cópias dos evangelhos que são anteriores a Constantino.

Atualmente podemos encontrar fragmentos do evangelho de João que datam de 150 d.C. A partir desses documentos, podemos fazer comparações com os manuscritos bíblicos pós-Constantino, e assim chegarmos à conclusão de que os conteúdos dos textos permanecem inalterados.








2.      2. Os evangelhos apócrifos não foram aceitos no cânon do novo testamento, o que foi contrário a decisão de Constantino, que queria que eles entrassem. Não foi Constantino que selecionou os livros que estariam ou não no NT, pois, apesar de toda sua influencia no cristianismo do século IV, ele nem tinha cultura teológica nem autoridade (eclesiasticamente falando) para dizer quais livros eram parte do Cânon. Sem falar que Constantino era analfabeto.
 A seleção dos livros que fariam parte do NT foram feitas, independente de Constantino, pelos chamados pais da Igreja, que foram grandes pastores do inicio do cristianismo.
No livro “Os 100 Acontecimentos mais importantes da história do Cristianismo” de autoria de A. Kenneth Curtis, J. Stephen Lang e Randy Petersen, podemos ler sobre, como de fato, foi  feito a seleção dos livros:

Havia dois critérios fundamentais, usados pela igreja para identificar o cânon (kanon é a palavra grega para "padrão"): a origem apostólica e o uso dos textos nas igrejas.
Com relação à origem apostólica, a igreja incluiu Paulo entre os apóstolos. Embora não tenha caminhado com Cristo, Paulo se encontrou com ele na estrada para Damasco. A abrangência de sua atividade missionária — relatada no livro de Atos dos Apóstolos — fez dele o próprio modelo do apóstolo.
Cada evangelho precisava estar relacionado a um apóstolo. Desse modo, o evangelho de Marcos, associado a Pedro, e o de Lucas, relacionado a Paulo, receberam um lugar no cânon. Depois da morte dos apóstolos, os cristãos valorizaram o testemunho dos livros, muito embora não portassem o nome de um apóstolo como autor.
Com relação ao uso dos textos nas igrejas, a orientação parecia ser a seguinte: "Se muitas igrejas usam um texto, e se ele continua a edificá-las, logo esse texto deve ser inspirado".
Embora esse padrão mostre uma abordagem bastante pragmática, existe uma lógica por trás dele: alguma coisa inspirada por Deus, sem dúvida, inspirará muitos adoradores. O texto que não foi inspirado acabaria, mais cedo ou mais tarde, por cair em desuso.
Infelizmente, esses padrões somente não eram capazes de estabelecer quais seriam os livros do cânon. Diversos textos flagrantemente heréticos carregavam o nome de um apóstolo. Além disso, algumas igrejas utilizavam textos que outras não se preocupavam em usar.
Por volta do final do século II, os quatro evangelhos, o livro de Atos e as epístolas de Paulo eram grandemente valorizadas em quase todos os lugares. Embora não existisse ne nhuma lista "oficial", as igrejas tinham a tendência crescente de se voltar para esse material como fonte de autoridade espiritual. Bispos influentes como Inácio, Clemente de Roma e Policarpo contribuíram para que esses textos alcançassem ampla aceitação. Contudo, ainda havia muita disputa com relação a He-breus, Tiago, 2 Pedro, 2 e 3 João, Judas e Apocalipse.
A heresia era uma maneira de fazer com que os cristãos ortodoxos esclarecessem suas posições. Até onde sabemos, a primeira tentativa de elaboração do cânon foi feita por Mar-cião, que incluiu apenas dez das treze epístolas de Paulo e o evangelho de Lucas bastante modificado. Mais tarde, outros grupos heréticos defenderiam seus "livros secretos", normalmente os que tinham o nome de um apóstolo ligado a eles.
Uma lista ortodoxa primitiva, compilada por volta do ano 200, foi o Cânon muratório, elaborado pela igreja de Roma. Ele incluía a maioria dos livros presentes hoje no Novo Testamento, mas adicionava o Apocalipse de Pedro e a Sabedoria de Salomão. Listas posteriores omitiram alguns livros, e deixaram outros, mas continuavam sendo bastante similares. Obras como O pastor, de Hermas, o Didaquê e a Epístola de Barnabé eram muito consideradas, embora as pessoas tivessem dificuldade em considerá-las escritura inspirada.
Em 367, Atanásio, o bispo de Alexandria, influente e altamente ortodoxo, escreveu sua famosa carta oriental. Nesse documento, enumerava os 27 livros que hoje fazem parte do nosso Novo Testamento. Na esperança de impedir que seu rebanho caminhasse rumo ao erro, Atanásio afirmou que nenhum outro livro poderia ser considerado escritura cristã, embora admitisse que alguns, como o Didaquê, pudessem ser úteis para devoções particulares.
A lista de Atanásio não encerrou esse assunto. Em 397, o Concilio de Cartago confirmou sua lista, mas as igrejas ocidentais demoraram muito para estabelecer o cânon. A contenda continuou com relação aos livros questionáveis, embora todos terminassem aceitando o Apocalipse.
No final, a lista de Atanásio recebeu aceitação geral e, desde então, as igrejas por todo o mundo jamais se desviaram de sua sabedoria.


3.       3. Segundo muitos estudioso da história eclesiastica, Constantino permaneceu pagão até o final.  Ele provavelmente “pretendeu se converter”, motivado por interesses politicos.  Constantino seria o que chamamos de “cristão nominal”.
O fato de que ele foi batizado apenas pouco tempo antes de sua morte, indica sua superficialidade como cristão.


5 comentários:

Anônimo disse...

A paz do Senhor, Helton. Eu gostaria de saber se você poderia me dizer como soube sobre o analfabetismo do Imperador Constantino. Também sou cristão e gostaria muito de saber desta informação. Desde já agradeço. Fique na paz do Senhor Jesus. Estêvão V. Lira.

Alexandre da Silva Ferreira disse...

Dissertar sobre Concílio dos Bispos em Niceia e demais cidades do Oriente e Ocidente, precisa-se falar em Ário...

Se o Judeu Yeshua, O Cristo, estivesse vivo, não aprovaria o que aconteceu em "sua igreja", do primeiro século em diante.

Air-Raid77 disse...

Constantino era analfabeto? Quem afirma isso, ou é mentiroso ou é desonesto, me desculpem.

Dizer que Constantino não conhecia os idiomas grego, aramaico e hebraico, tudo bem... mas dizer que era analfabeto é muita desonestidade. Pelo menos o latim ele conhecia muito bem. Um analfabeto não pode saber ler nem escrever em nenhuma língua, correto? Vou provar!

Vocês que se dizem cristãos, mas são tão desonestos, sabem muito bem como foi que Constantino se declarou cristão. Foi logo após a Batalha da Ponte Mívia, contra Magêncio. E vocês sabem que antes dessa batalha ele teve um sonho, não é?

Segundo a tradição, na noite anterior à batalha ele sonhou com uma cruz "ONDE ESTAVA ESCRITO: IN ROC SIGNO VICES".

Como um analfabeto conseguia ler o que estava escrito na cruz, em um sonho?

E é engraçado que, sempre que me deparo com esse papo do analfabetismo de Constantino, isso sempre parte de fontes cristãs. Não dava pra dizer a verdade não? Se dissessem que ele era analfabeto nas línguas das escrituras, o que até pode ser verdade, mas nem isso! Na verdade, Constantino não era muito ligado nos textos religiosos mesmo.

Resta a vocês seguir a corrente historiográfica de que essa história do sonho foi invenção de Eusébio da Nicomédia, que era seu puxa-sacos oficial. É isso que vocês vão alegar agora?

Só que, para piorar, Constantino tinha vários acessores acerca dos textos. A intenção do imperador era unificar todas religiões do império (sincretismo forçado), incluindo até os deuses nórdicos, egípcios, persas e até hindus, além das tradições greco-romanas (todas essas chamadas pelos cristãos de pagãs) com o cristianismo e o judaísmo. E resolveu que essa nova religião iria se chamar cristianismo. Ele pode até não ter decidido nada, mas só a presença de Constantino, que era um legislador duro e até cruel com quem desobedece suas leis, que é bem provável que os presbíteros temessem por suas vidas, caso o desagradassem. Ele não queria saber se a trindade ia ou não vencer o Concílio. A opção teria que ser a que melhor integrasse todas as religiões. Como parte do povo era politeísta, a decisão de manter uma trindade era até mais razoável que a de um Deus único. Era uma possibilidade de politeístas e monoteístas falarem a mesma língua, talvez.

Só lembrando que: após o Concílio, Constantino "ordenou" que todos os manuscritos que não tivessem sido aprovados deveriam ser destruídos (tivemos muita sorte de alguém ter escondido alguns no Mar morto, por exemplo). Se alguém fosse visto com algum manuscrito não-aprovado após isso deveria ser decapitado, ou seja, muito manuscrito que contradizia o cânone em algum aspecto foi destruído.

Então, gente, vamos parar com a desonestidade intelectual aí.

KLeber disse...

Caro Helton de Assis,
- Você poderia citar um unico documento do Novo Testamento, ANTERIOR A CONSTANTINO, com datação confirmada por RADIODATAÇÃO?
- Caso voce conheça, favor compartilhar estudosxpesquisas@gmail.com
...

Anônimo disse...

Ele pode até não ter "escrito, mas concordou com as divergências debatido no concílio de niceia acerca da criação da trindade e de por a divindade único do Eterno em um "homem" gerando uma grande confusão não mente das nações e por fim divide D'us em três estagios ou três essências diz: "que os três são um".

SÓ LOUCOS PRA ACREDITAR!